Revista Gala Ed.18/2013 (Alemanha) – Nova entrevista com Tom e Bill Kaulitz, “Nós não precisamos de um terapeuta”

0 Flares 0 Flares ×

“Nós não precisamos de um terapeuta”

Eles falam sozinhos quando o outro não está, e eles querem viver suas vidas juntos. Incomum para dois homens de 23 anos de idade. GALA conheceu na Alemanha um par de gêmeos deslumbrantes, os jurados do “DSDS” BILL e TOM KAULITZ.
Bill e Tom Kaulitz são gêmeos idênticos, o que é difícil acreditar, às vezes. Em vez de ter duas pessoas geneticamente idênticas em pé na sua frente, parece mais como se fossem dois homens  que não poderiam ser mais diferentes um do outro. Uma ilusão de ótica, porque tão logo eles abrem suas bocas, você está falando com a mesma pessoa. Mesmo quando eles têm opiniões completamente opostas…

Seu trabalho como jurados no “DEUTSCHLAND SUCHT DEN SUPERSTAR” termina no próximo mês. O que vai acontecer depois disso? 
Tom: Nós estaremos nos dedicando unicamente à nossa carreira musical. Nossa mudança para L.A. em 2010 e essa pausa teve dois motivos. Primeiro, é que se tornou aparentemente impossível para nós levar uma vida privada na Alemanha. Em segundo lugar, queríamos trabalhar em nosso novo álbum em paz. Nós esperamos terminá-lo este ano. As canções do álbum já foram escolhidas, agora estamos na última fase de produção.

A atriz Gwyneth Paltrow disse: “as pessoas sempre permanecem com a mesma idade que estava quando se tornaram famosos.” Isso é verdade? 
Tom: Ela tem um pouco de razão. Muitas vezes penso que eu não mudei muito. Eu ainda tenho o mesmo tipo de humor e gosto ainda das mesmas piadas idiotas. De alguma forma você permanece o mesmo. Então, novamente, nós aprendemos muito – desde como lidar com o pessoal até como funciona o negócio da música.

Várias estrelas teen entram numa espiral descendente e mais tarde aterrorizam as pessoas ao seu redor, com atitudes arbitrárias, como por exemplo Justin Bieber. Quem tem permissão para dizer ‘não’ para vocês? 
Bill: eu desejaria que realmente não houvesse ninguém me dizendo isso, mas é fato que ainda existem pessoas que se opõem a nós. Nós conhecemos a maioria das pessoas ao nosso redor há sete, oito anos, e eles não deixam de nos dizer a verdade sem rodeios, só porque somos pessoas públicas. Muitas vezes penso que em nosso ambiente vê-se as coisas mais criticamente porque o Tom e eu sempre nos encontramos numa posição onde temos de nos defender a nós mesmos e às nossas ações.

Robbie Williams foi descoberto quando tinha 15 anos, como você. Ele diz: “A fama amplia sua sensibilidade, reforça suas fraquezas e revela o lado sombrio do seu caráter.” 
Bill: É verdade. Uma carreira amplia seus pontos fortes e reforça suas fraquezas. Eu sempre fui um perfeccionista ao extremo, mas agora eu atingi um ponto onde eu me apavoro se algo não sair do jeito que eu queria. Esta sensação de pânico é muitas vezes tão intensa que eu não consigo dormir à noite. Ninguém me pressiona, sou eu que me pressiono. 
Tom: eu sou como um defensor dos pequenos detalhes, eu sempre tenho que saber exatamente o que vai acontecer no dia seguinte. Se algo não programado acontece parece-me que estamos caminhando para o desastre. Eu gostaria de poder dizer: “OK, que seja. Vamos ver o que o dia seguinte traz para nós.”, mas eu não consigo. Acrescente a isso, que eu às vezes me pergunto se é saudável eu falar comigo mesmo, o dia inteiro, quando Bill e eu estamos separados. Me estressa estar constantemente falando comigo mesmo, porque eu não sei se estou indo em uma direção estranha, ou não.

Como é que esses anos de inatividade lhe parecem? 
Bill: O estranho é que não posso dizer se é mais difícil viver com a fama, ou sem ela. Após dois anos fora, eu agora tenho vontade de começar a trabalhar novamente. Mas no momento que eu vejo os primeiros fotógrafos me esperando, eu penso: merda, talvez eu precise de mais um ano fora. Por um lado que eu quero ficar sozinho, mas por outro, quero ser bem sucedido com a banda. Mas isso é apenas como as pessoas são – elas sempre querem o que eles não podem ter.

Aos olhos do público, você ainda faz pose, mesmo quando está fazendo coisas normais, como fazer xixi? 
Tom: Isso é com o Bill, não comigo. 
Bill: Eu simplesmente não consigo me livrar desse hábito. Quando vejo uma câmera, fico paranoico e imediatamente me enquadro em um padrão comportamental específico. Mesmo quando nós tiramos fotos em festas com a nossa família, eu fico tenso porque eu sei que essas fotos vão vir à tona um dia. Uma luz piscando significa para mim: cuidado, você está trabalhando e você está na mira do público!

Quem você ficaria por mais de 1 hora: um mecânico ou um psicoterapeuta? 
Bill: Um mecânico. Muitas vezes pensei que talvez um psicoterapeuta fosse bom para mim, mas eu realmente não acredito neles. Eu não sou uma pessoa que fica girando sem saber que tipo de problemas está enfrentando. Eu sou muito bom em saber o que está errado comigo. Mas penso que, se eu não consigo resolver meus próprios problemas, como um estranho vai me ajudar a resolver. 
Tom: Conversar com um psicoterapeuta ajuda muita gente. Nós, como gêmeos idênticos, não precisamos disso porque falamos um com o outro durante todo o dia, de qualquer maneira. Eu sou o psiquiatra Bill e ele é o meu. É por isso que eu sempre sinto imediatamente quando ele não está aqui. Então eu tenho que dizer meus pensamentos para mim mesmo. 
Bill: ninguém entende que temos de compartilhar nossos pensamentos com o outro no momento em que eles vêm à nossa mente. Nós deixamos escapar tudo o que se passa em nossas cabeças mesmo na presença dos outros, de forma não filtrada. Pessoas normais não fazem isso nem na frente de suas mães ou de seus melhores amigos. 
Tom: Quando nos comunicamos um com o outro é como um peido – deixamos sair tudo. Para quem nos ouve falar, é como um choque. Como sabemos tudo um sobre o outro, somos mesmo muito próximos. É um sentimento quase sobrenatural que partilhemos quase os mesmos pensamentos. Na verdade, não temos nem de falar um com o outro. Já sabemos tudo o que há para se saber sobre o outro.

As mulheres não ficam loucas sabendo que elas sempre estarão em 2º lugar num relacionamento com vocês? 
Tom: Definitivamente demora algum tempo a habituar-se a nós, porque nós somos um pacote duplo. Nós provavelmente vamos viver toda a nossa vida juntos e vamos também fazer tudo juntos. É realmente difícil para sua parceira não ficar com ciúmes sobre este tipo de intimidade.

Vários gêmeos idênticos acreditam que essa relação simbiótica é mais tortura que diversão e passam por várias fases, porque eles não conseguem viver juntos, mas também não conseguem imaginar a vida sem o outro. Esse tipo de intimidade aterroriza vocês? 
Bill: Nós nunca tivemos esses pensamentos um sobre o outro. Não posso imaginar estar longe do Tom por um longo período de tempo.

Robbie Williams vive em Los Angeles desde 2002. Ele diz: “É quase impossível se apaixonar em Los Angeles, porque as mulheres de lá são tão neuróticas, que isso lhes dá superpoderes. Quase todas as solteiras têm grandes chances de serem neuróticas.” Vocês partilham esse pensamento? 
Tom: Há aqueles típicos egos anormais em Los Angeles, cujas personalidades são, na sua maioria, falsas. Mas eu sinto que este tipo de mulheres tornou-se internacional. Se você está sem sorte, você pode encontrá-las em cada cidade.

Vamos supor que vocês veem uma mulher numa cafeteria em Los Angeles, que desperta seu interesse. Como vocês chegam nela? 
Bill: É uma coisa típica de L.A. que as pessoas lhe digam um monte de coisas pessoais. Todos supostamente estão fazendo algo interessante e vivem uma vida ótima. Tom e eu atraímos a atenção por que quase nunca dizemos nada a ninguém, ou qualquer coisa sobre nós mesmos. Quando as pessoas perguntam-nos sobre o que estamos fazendo, eu imediatamente me fecho. Em Los Angeles o eufemismo é um infortúnio. É por isso que as pessoas continuam falando sobre suas vidas pessoais. E eu estou realmente ok com isso. 
Tom: Quando você entra numa academia em Los Angeles, você tem que colocar seu trabalho no formulário. Nós nos olhamos e pensamos no que soaria realista. Quando dissemos que estamos na faculdade, as pessoas notaram que isso não poderia ser verdade e então perguntaram: “como você pode dirigir um carro desses se está na faculdade? Vocês são filhos de algum milionário?”

E mais uma vez, Robbie Williams – ele diz que há dois tipos de groupies na Alemanha: ‘um tipo quer tirar foto na hora do sexo, para ter algum tipo de prova para exibir aos seus amigos. As outras perguntam: ‘Robbie, quais são seus sentimentos reais por mim? Vocêjá teve uma experiência semelhante?” 
Tom: Eu posso confirmar que fanáticos querem sempre saber se os meus sentimentos para com eles são reais. Mas isso não é apenas na Alemanha. Acho que isso depende de como você lidou com ela. Mulheres são difíceis de convencer, aí  você faz um monte de promessas. Essas são as candidatas que, em seguida, perguntam se você realmente tem sentimentos por elas. Eu realmente não minto quando lhes respondo, porque eu sei como é dificil. Procuro tomar o caminho do meio – nunca digo que é apenas por uma noite, mas eu também não a faço se sentir como se fosse acontecer algo mais entre nós.

Como vocês reagiriam se uma mulher quisesse tirar uma foto durante o sexo, para ter uma prova para mostrar aos amigos? 
Tom: eu nunca faria algo parecido com isto. Conosco, as mulheres sempre foram informadas que não estavam autorizadas a tirar fotos. Ficou claro para elas. Quando começamos, as meninas tinham de deixar seus casacos e bolsas com nosso pessoal da segurança e basicamente já entrar em nosso quarto semi-nuas.

Como é que vocês reagiriam se uma mulher lhes dissesse que está grávida, no dia seguinte? 
Tom: Isso não acontece comigo. Eu estou em um relacionamento, portanto eu não estou pegando mulheres aleatórias há algum tempo. 
Bill: Muitas coisas mudaram. No início de nossa carreira, nós tivemos que assinar um monte de autógrafos. Hoje, as pessoas não querem mais isso. Quando me perguntam se elas podem tirar tirar uma foto, e eu pareço meio caído, digo-lhes: “não fique brava, mas sem fotos hoje. Mas eu posso assinar algo para você, se você quiser. “, então, elas respondem com um “Não, obrigado”. Os recém-chegados podem esquecer seus cartões de autógrafos, autógrafos estão por fora. 
Tom: Quando você quer tirar uma foto, elas ficam tão animadas que não consegue ligar suas câmeras e começam a tremer. Quando vejo isso, fico também muito nervoso. 
Bill: Ambos somos ruins em lidar com essas situações, porque nós não sabemos conversar. Admiro quando estranhos se encontram e são capazes de simplesmente fazer comentários uns aos outros, e manter uma conversação. Quando eu encontro alguém que não conheço, sinto-me muito desconfortável com a situação. Eu nunca sei o que dizer, e a outra pessoa – na maioria dos casos – também não. E então há aquele silêncio constrangedor. É mais fácil para eu conversar em inglês, porque há frases vazias típicas, que você pode usar para iniciar uma conversa com alguém. Em alemão, tudo é tão cheio de significado.

Quando foi a última vez que você disse a uma pessoa ‘eu te amo’?
Bill: quando eu estava na escola, muitas vezes, disse às minhas namoradas que eu as amava, sem pensar duas vezes – mas nunca significou realmente isso. Já aconteceu de eu ter uma queda por alguém, mas não foi nada sério. Eu ainda não encontrei ninguém que eu possa dizer “Sim, eu te amo e é de todo meu coração.” Com os membros da família sim, naturalmente, mas é algo diferente. 
Tom: Ele me diz todos os dias que me ama até à morte.

Vários artistas podem viver de seu amor-próprio. Está realmente faltando algo em sua vida, Bill? 
Bill: Eu sinto falta de amar alguém – mas o que sentir falta significa? É como eu estar procurando o amor da minha vida todos os dias, e pensar: Oh, pobre de mim, eu ainda não encontrei meu verdadeiro amor. A coisa é: as pessoas foram feitas para estar com alguém. Eu acho que não há ninguém que realmente goste de ser sozinho. Acho que isso é uma mentira. 
Tom: Algumas pessoas têm pena de você e dizem: “ele está sozinho por tanto tempo. Ele deve estar tão deprimido”. Esquecem-se que você não está vivendo esta vida triste, que você não vivendo sozinho nem trabalhando sozinho.
Bill: Exatamente. A relação que vem em primeiro lugar, será sempre a que Tom e eu temos. Todo o resto vem depois disso, enfim.

Dizem que Goethe teve sua primeira vez aos 39 anos de idade! 
Bill: Wow! Então, eu me sinto melhor ainda. 

Legenda das fotos: 
 ALMAS GÊMEAS
Os irmãos Kaulitz mudaram-se da Alemanha há anos – tanto positiva como negativamente. Em uma entrevista exclusiva para GALA os os valentes pop stars falam sobre um lado extraordinariamente íntimo de sua vida. Por favor, vire a página. 

• MUITO PERTO
Bill e Tom Kaulitz têm – mesmo para gêmeos – um vínculo muito próximo 

ESTAÇÕES DA CARREIRA
Em 2005 Georg, Gustav, Tom e Bill (foto grande) com a música “Durch Den Monsun” foram de zero a um nas paradas alemãs. Tokio Hotel criaram histeria – primeiro na Europa e depois nos EUA e na Ásia. Depois de uma longa pausa, que eles escolheram passar na praia em Los Angeles, Bill e Tom estão sentados ainda no início de maio o júri do DSDS. Um novo álbum está previsto. 

 ”Já sinto saudades de alguém para amar” Bill

Tradução, TokioHotelBR.com

13.11 Bolonha, Itália

15.11 Marselha, França

16.11 Nancy, França

18.11 Berlim, Alemanha

__________________________________________
(+) VEJA TODOS OS SHOWS DA TURNÊ