[SCANS + TRADUÇÃO] Revista alemã ‘L’Officiel Hommes’ edição de verão com Bill Kaulitz (2017)

0 Flares 0 Flares ×

Bill Kaulitz é capa da segunda edição de verão da revista alemã ‘L’Officiel Hommes’, veja abaixo os scans e a tradução da revista:

17424751.jpg 17424756.jpg 17424768.png 17424800.jpeg 17424801.jpeg 17424808.jpeg 17424838.jpg 17424840.jpeg 17424851.jpeg 17424858.jpeg 17424862.jpeg 17424868.jpeg 17424877.jpeg 17424886.jpeg 17424892.jpeg

Billy The Kid
Um jovem herói – e já uma lenda. Nenhum alemão perante ele pode olhar para essa carreira. Bill Kaulitz, um nômade-pop. Vagabundeado entre Berlim e Los Angeles. Uma entrevista sobre sua vida e a busca do significado.

Paciência é a primeira palavra que apareceu em minha mente quando vi Bill Kaulitz sentado no estúdio. Sua maquiadora passa maquiagem nele. Os joelhos pontudos balançam dos jeans com buracos. Seus jeans estão enrolados no fundo, onde se vê seus tornozelos. Um buldogue branco manchado de marrom está em seus pés: “Esse é Pumba. Ele não queria se levantar hoje”. A voz de Bill é calorosa e aberta.

“Você já o tem há muito tempo?”, pergunto-lhe e sento ao lado do equipamento de cabelo. Eu sei que Pumba está em algum lugar no topo dos mais famosos animais de estimação. Há muitas fotos de Bill abraçando Pumba no Instagram. Ele até ganhou seu próprio vídeo de aniversário.
“Três anos. Eu o peguei quando ele tinha apenas 8 semanas de idade. Ele é tão fofo em sua maneira, eles são tão cheios de amor. Às vezes, ele simplesmente se senta e me olha profundamente nos olhos, é como um abraço”.

Bill fala sobre tatuagens com a maquiadora. Eles falam sobre elas desaparecerem depois de algum tempo, especialmente as escuras. Ela também tem uma na mão. Uma bracelete com uma cruz está pendurada sobre ela. Ele mostra suas mãos e seu braço inferior: Freiheit 89 está lá. Uma referência a sua mãe. Quando estava grávida dos gêmeos, o muro (de Berlim) ainda estava de pé. Bill fecha os olhos e se inclina para trás. A maquiadora passa em rosto uma base de Bobbi Brown.
“Você precisa de mais alguma coisa?”, ela pergunta e tira alguns pelos de sua testa.
Bill se examina: “Não, está tudo ok”. Ele se levanta, se inclina mais perto do espelho e agora foca no cabelo. Cada fio com deliberação.

O manager do Bill entra: “Você tomou café da manhã?”
“Sim tomei.”
“Geralmente, há muito mais”. Ele coloca uma tigela de água na frente do cachorro: “Pumba, isso é delicioso – zero calorias”.
Pumba se afasta com ressentimento.

O manager lê uma entrevista para Bill que o Tokio Hotel teve com uma revista local.
Bill digita uma mensagem de texto enquanto isso. Com os dois polegares. Então é hora da primeira roupa. Bill tira os sapatos, ele usa footlets, shorts boxer preto e apertado. Em sua parte superior do corpo nu, há outra tatuagem de uma maneira fantástica: “Wir hören nie auf zu schreien – wir kehren zum Ursprung zurück.” (Nós nunca pararemos de gritar – nós estamos retornando as nossas raízes)

O estilista o ajuda a entrar nas botas de pele de cobra e amarra seus cadarços. São quase 1 da tarde. Estamos uma hora adiantada do nosso horário.
A sessão começa. Bill está muito concentrado, move sua cabeça apenas em centímetros, oferece várias impressões, aplica seus gestos com moderação. O fotógrafo está muito contente: “Incrível, sim, exatamente assim. Eu adoraria chegar mais perto agora.”
Então eles olham as imagens no monitor juntos.
“Iluminação muito legal. Incrível”.
“Porra, isso está incrível. Ótimo, legal. Eu gosto disso”
“É assim que devemos continuar”.

Tudo foi rápido. O próximo set é em uma mesa onde Bill já está deitado, segurando uma perna. Depois disso, Bill deveria deixar-se cair sobre um colchão. Ele é prudente, paciente, ele se diverte. “Vamos”. Ele vai rolando. “Oh, eu estraguei tudo.”.

Eu tomo um chá e sento-me ao lado do agente de modelos. Ele me diz que ele trabalhou como modelo durante sete anos: “Mas um dia, pensei que alguma coisa ainda deveria acontecer. Agora estou ocupado com as celebridades.”
“Bill trabalha para você há muito tempo?”
“Não, acabamos de recebê-lo recentemente. Mas é um ótimo começo agora. High Fashion. Estou curioso para saber o resultado.”.

A próxima roupa: um casaco amarelo, fotografado por trás. Então eles fazem uma pausa. É hora do almoço para a equipe, Salada com vinagrete de limão, carpaccio de abobrinha com camarões grelhados, gratinado de abóbora com alho fino, guisado de boi com cenouras assadas em Porter.

“É saudável, isso me faz bem”. Bill nos diz que ele normalmente come muita pizza. Como foi uma sugestão, um assistente começa a filmar para o Tokio Hotel TV. Seu canal está no YouTube. Em inglês, “eu amo coisas que não são saudáveis”, Bill diz para a câmera: “Comida italiana é a melhor, posso comer pizza o dia todo. Mas eu amo o Senfeier da minha mãe (ovos com mostarda). É uma coisa alemã. Super gostoso, eu amo tudo com queijo. Na América, a comida é uma merda. Eles não conhecem o bom pão. Quando meus amigos estão aqui: Eles ficam enlouquecidos pelos bolos. Rhabarberkuchen (Torta de Ruibarbo) Mmmh”. Ele ri da palavra alemã e continua comendo sua salada. Eventualmente, ele bebe um café preto. Americano.

América é minha sugestão. Bill vive lá há sete anos: “Nós fomos para lá com 14 malas. Estávamos no vale com toda a nossa família, no início, mas eu fiquei entediado muito rápido, eu preciso da cidade grande. Agora estamos de volta a West Hollywood. Eu adoraria ter uma segunda casa em Nova York. Mas eu ainda tenho que persuadir Tom. Ele não gosta de mudanças”.

“E você não pode ir sozinho: mesmo se você estivesse lá com o amor de sua vida?”
“Nós não podemos nem imaginar viver separadamente. Para os nossos parceiros, se tivermos um, isso significa que eles terão um relacionamento com os dois. Você tem que amar a ambos. O primeiro relacionamento é o que ambos temos. E então há uma grande diferença. Isso não é realmente fácil para muitos.”

“E ainda assim você tem uma vida amorosa…”
“Sim, mas Tom fica feliz sempre que não estou apaixonado. Ele diz que estou muito mais focado e trabalho melhor. Sempre sou muito romântico – digo como, vamos, vamos para a Índia, nós iremos casar e tudo. Tom não usa seus instintos, ele é mais racional”.

Continuando. Enquanto Bill está mudando sua roupa, ele está sendo filmado de novo. Agora é sobre moda. Bill está interessado em um grande par de calças que pertence à próxima roupa. “Este aqui é lindo, preciso daquele na minha coleção”. Ele diz ao seu estilista. “Pergunte a eles onde posso comprar”.

“Você guarda todas as suas roupas de palco?”
“Eu tenho um enorme fundo. Posso contar tudo sobre uma roupa que eu usei uma vez. Eu sou meu próprio estilista. Primeiro Echo? Isso foi em 2006. Eu usei uma camisa com uma caveira nela”. Ele se vira para a câmera: “Com casacos eu posso contar todas as histórias. Há uma jaqueta de couro que era tudo pra mim. Meu primeiro amor”.

“Quantos pares de sapatos você tem?”
“Sapatos? Centenas? Eu nunca contei”.

A mulher com a câmera diz: “Talvez possamos fazer um episódio onde você possa contar algo sobre suas roupas”.
“Sim, com certeza”.

Bill está vestido e dirige-se para o fotógrafo. Seu cachorro se levanta e corre atrás dele.
Após a sessão, nos sentamos no camarim.

“Você gosta de ser fotografado?”, Pergunto-lhe.
“Absolutamente. Essa é uma paixão. A moda é algo que é muito divertido pra mim, de qualquer maneira. Como cantor, posso viver todas as facetas. No palco e nas sessões de fotos. Adoro assistir a shows, ir à Semana da Moda, conversar com designers.”

“Você gosta de sua imagem no espelho?”
“Eu não sou tão exagerado como muitos pensam. Eu não olho para as minhas fotos por horas e digo: ‘Isso tem que ser photoshopado, não gostei’, sou bastante relaxado nesse assunto, eu mudo constantemente minha visão. Mesmo na parte da manhã, não passo muito tempo olhando-me no espelho antes de sair. Mas posso demorar um pouco mais à noite”.

“Você tem fotos de você mesmo na sua parede?”
“Não. Acho que é horrível quando as pessoas têm fotos de si mesmas penduradas na parede, bem na entrada”.

“Nem um enorme poster de tamanho real?”
“Meu assistente uma vez me enviou fotos da Vogue. Foi um grande sonho meu fazer uma sessão com a Vogue. Ele me deu as fotos no meu aniversário. E recebi uma foto emoldurada da sessão com Ellen von Unwerth. Mas elas não estão na minha parede, mas em algum canto do nosso estúdio. É o mesmo com prêmios, além de discos de ouro ou platina. Você está feliz por isso, mas não quer se gabar”.

“Como seria um dia ideal para você?”
“Bem, antes de tudo, tomamos um longo café da manhã, com amigos, com meu irmão. Com nossos cães. No sol, em nossa casa em Los Angeles. Portas abertas, com bom ar, como uma brisa quente que entra. Vemos séries, como ‘Stranger Things’ ou mais, está na Netflix, a propósito, nós comemos ovos e melancias. Em seguida, vamos para um parque – nós saímos com nossos cães todos os dias e caminhamos -, então temos um bom almoço e a noite, nos preparamos e partimos para as festas até as 6 da manhã. Eu adoro sair para festas, adoro a vida noturna em Berlim, adoro o Berghain e também o Kater Blau e adoro ir em grupos enormes compostos por 15 pessoas… para ir de um clube para outro. Meus amigos são todos muito diferentes, eles geralmente nunca se encontram sem mim. Bem, se perder neste mix colorido e depois dormir até as 2 da tarde e depois tomamos um café da manhã descontraído de novo.” Ele ri.

“Ok, e o que você bebe?”
“Na verdade, estranhamente, adoro Whiskey com Coca-Cola”.

“Malte único?”
“Muitas pessoas dizem que você não pode misturar um bom whiskey com Coca-Cola, mas eu poderia beber isso para sempre”.

“Como você faz isso em LA? Às 2 da manhã, os clubes fecham e às 1:45 da manhã anunciam o último rodada de álcool”.
“É por isso que eu amo vir para a Europa. Quando eu digo aos meus amigos em Los Angeles que começamos a ir aos clubes à 1 da manhã, eles pensam que eu sou louco. E quando eu digo que levamos nossa cerveja no táxi ou a bebemos juntamente com o cigarro, eles pensam que aqui é uma anarquia. Tenho a sensação de que em Los Angeles, as pessoas saem às 8 da noite e querem ficar bêbadas rapidamente porque acaba logo”.

“Mas você realmente não leva uma vida de rockstar realmente, estou certa? Eu tive a impressão de que você está bem focado…”
“Eu tenho algumas fases. Extremas. Eu realmente festejo muito – ressaca e todas essas coisas. Adoro me deixar cair. Mas quando estou sob pressão e lançamos um álbum e estamos prestes a fazer uma turnê, sei que tenho que preservar minha voz por dois meses e então estou em um modo bastante diferente. Sendo assim ativo o modo chá, vida saudável e não fume”.

“Bill, o bom garoto?”
“Sim, uma vez eu perdi minha voz e tive que me submeter a uma cirurgia. Isso foi um pesadelo para mim. Tivemos que cancelar toda a turnê. Esse medo me acompanha o tempo todo. Um show é organizado. Eu sou também muito pontual. Os americanos dizem: ‘muito alemão’. Também tenho grandes expectativas sempre que vou a um show. Quero 100%. Quero que as pessoas saiam e digam: ‘Eu tive a noite da minha vida’.”

“De onde você tira força?”
“Eu também me pergunto isso, às vezes. Não sei. Tenho momentos em que estou extremamente exausto. Mas eu sei que posso me recompor. Há manhãs em que eu penso: Não quero agora, Eu não posso, Estou cansado. Mas eu tenho um enorme problema com pessoas decepcionantes. Tenho essa pressão que eu mesmo faço para mim, esse é o meu incentivo. Além disso, nós nos apoiamos. Tom e eu. Nós temos um conexão muito profunda. Nunca nos separamos mais do que 24 horas. Nós encorajamos um ao outro. Sempre que um de nós está para baixo, o outro vem e levanta”.

“O que mais é importante? Um tipo específico de música? Você fecha seus olhos e se concentra em um mantra?”
“O silêncio é difícil, eu prefiro ação. Eu não sou realmente o solitário. Eu sempre tenho a sensação de que, sempre que estou sozinho comigo por muito tempo, entro em prejuízo. Eu prefiro estar ativo. Eu também adoro estar estressado, devo admitir. Adoro ter um horário, agora tenho esse compromisso, agora tenho que fazer isso. Apenas vivendo o seu dia… isso não é o que sou. Me sinto desconfortável. Então eu faço perguntas como ‘O que eu estou fazendo com a minha vida?”

“Como o seu projeto solo se encaixa nisso?”
“Isso foi um dos meus problemas. Eu acabei de lançar um EP com cinco músicas, processei um amor, em particular, que deu errado no final. No final, meu coração se iludiu e ficou quebrado no chão. Foi tão intenso que eu senti vontade de escrever sobre isso. Tom produziu, então eu não estava sozinho. Eu gravei clipe com amigos. Eu também não queria um grande marketing para isso.”

“Foi publicado secretamente, por assim dizer”.
“Sim, nós levamos muitas fotos e depois as exibimos em galerias em Paris, Berlim, Los Angeles. Houve lançamentos especiais para cada música: um livro de fotos, uma capa auto-projetada com um USB. Eu queria conectar coisas e fazer algo muito especial”.

“Você ainda se vê na indústria da música daqui a 10 anos?”
“Sim, sempre. Eu não posso me imaginar fazendo outra coisa. Claro, eu faria algumas excursões na indústria da moda – por exemplo, uma própria coleção de moda… ou um filme. Talvez uma peça de teatro”.

“Então Hollywood é o lugar certo para você. Algum outro sonho?”
“Eu adoraria abrir um clube noturno com um toque europeu. As pessoas em LA nem sabem disso, mas acho que gostariam. Eu adoraria fazer tudo: decoração, gerenciamento …”

“E estar no palco por lá?”
“Sim, claro. Música ao vivo, ótimo. Esse seria o meu sonho.”

“Ok, com essa perspectiva, podemos acabar aqui. Falta alguma coisa? Uma última afirmação sobre o significado da vida?”
“Significado da vida? Não, eu também procuro isso todos os dias”. Bill se inclina para Pumba e diz com ternura: “Para você, o significado da vida é estar comendo”.

Tradução, Tokio Hotel Brasil Support

13.11 Bolonha, Itália

15.11 Marselha, França

16.11 Nancy, França

18.11 Berlim, Alemanha

__________________________________________
(+) VEJA TODOS OS SHOWS DA TURNÊ