Entrevista do Tokio Hotel para a Playboy Alemã – “Estávamos cansados, não conseguíamos mais ouvir nossos próprios nomes”

Entrevista do Tokio Hotel para a Playboy Alemã – “Estávamos cansados, não conseguíamos mais ouvir nossos próprios nomes”

No dia 18 de novembro, a banda cult Tokio Hotel lançará seu novo álbum “2001“. Conversamos com Tom, Bill e Georg sobre amizade, seu passado agitado, gravações nuas e suas novas músicas…

“2001” é o nome do sexto álbum de estúdio do Tokio Hotel. Como no ano em que Bill e Tom Kaulitz, Georg Listing e Gustav Schäfer se conheceram e formaram uma banda. Uma banda que teve seu grande sucesso em 2005 com seu hit “Durch den Monsun”. As carreiras dos quatro adolescentes rapidamente subiram, e eles rapidamente se tornaram celebridades – e acima de tudo cobiçados – estrelas mundiais. A pressão sobre o Tokio Hotel foi enorme, dizem os membros. Tão grande que Bill e Tom se mudaram para Los Angeles em 2010 depois de receber ameaças, perseguições e outros incidentes negativos. Hoje, mais de uma década depois, o Tokio Hotel pode “celebrar” o seu passado novamente, como nos dizem na entrevista. Conhecemos Tom Kaulitz, que agora é casado com a top model Heidi Klum.

Supondo que vocês só se conheçam agora, vocês seriam amigos?

Tom: Não.

Georg: Acho que não nos encontraríamos. Não estou em Paris na semana de moda como Bill. Vou ao Union no Alte Försterei, bebo cerveja e vejo futebol.

Bill: Nós somos tão diferentes. Mas nós apenas temos uma confiança tão básica um no outro. Passamos a maior parte de nossas vidas juntos, crescemos juntos, passamos por tanta coisa juntos. E isso é simplesmente inabalável. É como uma família – você também não pode escolhê-los.

O nome do seu novo álbum também lembra o passado: “2001” foi o ano em que vocês se conheceram. Depois de mais de 20 anos no ramo, vocês não estão cansados de olhar para trás o tempo todo?  

Bill: Nosso passado faz parte da história e também celebramos isso. Acho que já passou tempo suficiente. Enquanto escrevia meu livro, lançado no ano passado, percebi que é muito mais difícil escrever e refletir sobre o passado recente do que sobre as coisas que aconteceram quando éramos crianças. Estamos na casa dos 30 anos hoje – olhando para trás agora, de alguma forma você pode abraçar e celebrar sua infância e o início de uma maneira diferente.

E por quê?

Georg: Acho que é principalmente o cérebro humano. As coisas negativas acabam sendo apagadas e as coisas positivas permanecem.

Bill: Nós não guardamos rancor. Lembramos principalmente do positivo e pouco do negativo. Às vezes você reencontra as pessoas e pensa: Isso mesmo, aqueles eram os babacas, agora eu me lembro.

Tom: Acho que também porque nunca estivemos tão felizes em nossa carreira quanto agora. Todas as decisões que tomamos – sejam positivas ou negativas – nos trouxeram a este ponto.

E o que te faz tão feliz agora?

Tom: Escrevemos o melhor álbum lançado até agora. Não apenas do Tokio Hotel, mas no geral.

Bill: Sim, de todos os álbuns que já foram feitos (risos) . Nós meio que sentimos que tudo é possível. Nos sentimos muito confortáveis ​​com o que fazemos. É como depois de uma crise de meia-idade, onde muitas portas se abrem. Estamos no segundo auge da nossa carreira.

Vocês podem descrever mais ou menos como é o álbum?

Tom: Sim, não é fácil (risos) . O álbum é na verdade uma compilação dos destaques dos últimos quatro ou cinco anos de composição.

Há algumas músicas novas vindo também, certo?

Tom: Exatamente. Raramente lançamos álbuns, mas fazemos música o tempo todo. Por isso também foi uma tarefa difícil juntar tudo. Agora tá incluso 16 músicas que são realmente importantes para nós, não há um álbum completo.

Você também relançou seu single inovador, Monsoon. Como assim?

Tom: Na verdade, isso foi o pilar do álbum. Quando a música completou seu 15º aniversário, dois anos atrás, imaginamos como seria se a fizéssemos hoje.

Bill: No início, queríamos apenas gravar uma versão de aniversário para dar um presente aos nossos fãs. Quando estávamos todos juntos no estúdio novamente, parecia um pouco como naquela época. Então o pensamento veio até nós: Ei, vamos pensar em um álbum de novo.

Como vocês vão fazer nos shows – vocês vão tocar a nova versão e a versão antiga?

Tom : Boa pergunta, ainda não pensamos nisso. Mas definitivamente tocaremos a versão original porque sabemos que os fãs querem ouvi-la. Para nós, esse é sempre um momento especial nos shows. Talvez comecemos com a nova e terminemos com a versão original.

Bill: Quando você vai a um show, sempre quer ouvir o maior sucesso da banda. A música daquela época pela qual se apaixonou. Você quer ser nostálgico.

Como vocês se sentem quando pensam nos velhos tempos?

Tom: Parece outra vida. Mas é claro que também é meio louco que aos 33 anos você já possa olhar para trás e ver uma carreira tão longa.

Vocês realmente perceberam o quão bem-sucedidos vocês foram?

Tom: Não. A vida é sempre compreendida ao contrário. Acredito também que só hoje percebemos o quanto influenciamos vidas e o quanto moldamos os jovens. Naquela época, eles próprios ainda eram crianças.

Bill: Às vezes eu nem sabia onde estava me apresentando – em que país estávamos, qual era o nome da cidade ou da premiação. Então eu coloquei isso no topo da minha setlist. Claro que eu não tinha permissão para contar a ninguém. Foi tudo uma correria, parecia um longo sonho.

Georg: Estávamos na estrada por meses a fio. Parecia que íamos para casa lavar a roupa a cada dois meses. Então tínhamos cinco dias de folga uma vez por ano, e assim foi. Você realmente não tem tempo para aproveitar as coisas.

Quando eu tinha 12 ou 13 anos, você podia se candidatar para ser namorada de vocês na “Bravo”. Eu me inscrevi para você, Tom, mas nada aconteceu…

Tom: Eu ia dizer, (risos) eu te conheço de algum lugar.

Havia apenas um cartão de autógrafo padrão.

Tom: Bill, vamos ser honestos: nós não entramos na lista, não é?

Bill: Não tente se safar, Tom. Você leu todas as cartas.

Tom: Não recebi tantas candidaturas (risos).

Então, como foi?

Tom: Fomos levados a um local agradável e tivemos que conhecer 25 garotas eram encontros rápidos.

Oh, tipo… agora?

Tom: Sim, sim, claro. E o Georg então ficou com a escolhida dele por muitos anos, eu acho, né? (risos)

Georg: Acho que ninguém se candidatou por mim naquela época, você quer dizer.

Tom: Não. Eu não quis dizer isso. Todos nós tínhamos 25. Mas isso foi uma coisa muito estranha.

Bill: Nós inventamos o Bacharelado.

Tom: Isso mesmo, essa foi o pontapé fundamental para o diploma de bacharel.

Como vocês se sentem hoje que suas vidas amorosas e suas sexualidades foram tão fortemente discutidas em público na época?

Bill: Se você olhar para isso hoje, é muito estranho. Acabei de encontrar um artigo de nossas ex-namoradas que foram entrevistadas antes da escola. Meninas de 15 anos sendo questionadas sobre o quão longe elas foram, quando fizeram sexo pela primeira vez e tal. Isso não ficaria bem hoje. Você pode ver que em 2022 teremos feito muito mais progresso. Felizmente.

Tom: Nós também fomos muito pressionados pela mídia. Com alguns acordos e algumas coisas que tínhamos que fazer. Ainda me lembro que me senti muito incomodado com a procura de namorada na época. Nós fomos deixados de lado um pouco. Portanto, nem todos nos divertimos com isso. Talvez alguns, mas eu…

Bill: Alguns talvez (risos) .

Tom: Mas eu não sei quem.

Georg: Eu também não.

Você diria que essa “fofoca de amor” o afetou?

Tom: Houve uma pressão absoluta em toda a nossa vida pessoal. Tentamos com todas as nossas forças manter nossos amigos, nossa família, nossas namoradas longe dos olhos do público. Claro, isso teve um grande impacto em nossas vidas. Bill e eu também deixamos a Alemanha.

Então essa retirada foi devido ao hype?

Bill: Foi apenas uma sobrecarga. Não tínhamos mais vontade, não podíamos mais ouvir nossos próprios nomes. Eu também acho que as pessoas não podiam mais ouvir nosso nome. Isso foi muito Tokio Hotel. E não tínhamos uma vida paralela. Queríamos descobrir quem somos fora da carreira. Nem sempre queríamos ter que nos esconder, queríamos estar apaixonados e fazer algo sem que saísse no jornal no dia seguinte.

Mudando de assunto: Qual é a sua ligação com a Playboy?

Georg: Ganhei minha primeira Playboy quando tinha 14 anos para uma cerimônia de iniciação juvenil. Achei a revista muito atraente.

Bill: Eu estava em uma festa na Playboy Mansion onde conheci Britney Spears. Vários sonhos se tornaram realidade para mim naquela noite: apertar a mão de Hugh Hefner, ver os coelhos e me maravilhar com a gruta por dentro. Até então, eu só a conhecia da minha série favorita “Sex and the City”.

Tom: Exatamente, foi uma mega festa. Isso também mostra que a Playboy é um culto absoluto. E é por isso que estamos dando a entrevista hoje, ela se encaixa tão bem com o novo álbum dos Tokio Hotel, que também terá seguidores cult (risos) .

O que vocês acham das fotos nuas?

Bill: Eu não acho que a nudez seja ruim. Pelo contrário, há algo de autodeterminado em se mostrar nu em público. A Playboy também representa mulheres autodeterminadas e confiantes que se apresentam com estilo.

E o que significa masculinidade aos seus olhos?

Tom: Para mim, masculinidade significa ser absolutamente você mesmo e ser autêntico.

Bill: Para mim não existe tal coisa. Sempre fui alguém que não prestou muita atenção aos limites. Eu estava entediado com todas essas coisas. Acho que não precisamos mais disso. Portanto se você quiser colocar um homem na capa, é só me chamar.

Fonte: Playboy.de
Tradução e adaptação de texto: TokioHotelBrasil.com

07.05 Festival OMR, Alemanha

18.07 Festival DEICHBRAND, Alemanha

23.07 Festival ZELT MUSIK, Alemanha

30.08 Festival SEASIDE, Suiça

31.08 Festival SUMMERDAYS, Suiça

HOST BY FLAUNT NETWORK | DMCA | PRIVACY POLICY